Em Rio Verde:

Acidente grave.

O adolescente de 17 anos suspeito de dirigir bêbado e matar mulher em acidente usava documento falso e estava dando cavalo de pau em estacionamento de festa, segundo a Polícia Civil. Ele vai responder por ato infracional análogo a homicídio culposo, que é quando não há intenção de matar. Ele não ficou apreendido após o acidente, que aconteceu em Rio Verde, no sudoeste de Goiás.
A batida, que aconteceu no domingo (23), causou a morte da dona de casa Neuraci Maciel, de 43 anos. A filha dela, de 22 anos e que está grávida de quatro meses, ficou ferida.
Um vídeo registrou o momento do acidente. O adolescente dirigia uma Mitsubishi Pajero e, em um cruzamento, bateu na lateral do Hyundai HB20S, onde estavam Neuraci, que dirigia o veículo. Na sequência, o veículo dirigido pelo menor ainda bate nos semáforos.
O delegado Stanislao Montserrat, que vai ficar responsável pelo caso, disse que ele tinha uma identidade com a data de nascimento de 1997. Assim, ele teria 21 anos. Com isso, conseguia entrar em eventos e comparar bebida alcoólica. Porém, no registro verdadeiro consta que ele nasceu em 2001.
“Além disso, um segurança do espaço onde acontecia a festa nos disse que o menor estava dando cavalo de pau com o carro no fim da festa, uns 20 minutos antes do acidente”, contou.
O delegado explicou ainda que o menor não ficou apreendido porque a lei determina que, em caso de adolescentes, isso só pode acontecer se o ato infracional acontecer mediante violência ou grave ameaça.
“O delegado que estava de plantão e registrou o caso não tinha até o momento elementos suficientes para determinar pelo dolo ou culpa, então, em razão da legislação ser muito protetiva com relação a menor, não sentiu segurança suficiente para manter ele apreendido”, explicou Montserrat.
Agora, a polícia vai apurar se o adolescente assumiu o risco de provocar a morte dirigindo de forma imprudente.
Pedido de justiça
Os familiares de Neuraci, inconformados com a morte da dona de casa, pedem que o menor seja responsabilizado pelo acidente. Conforme relatou o irmão da vítima, Jaedes Maciel, a mulher era da Bahia, mas morava em Rio Verde há 25 anos.
“Uma família com 600 pessoas, aonde então sofrendo cada segundo desta tragédia. Eu gostaria de saber como que vai ficar esta situação”, disse Jaedes.
O corpo de Neuraci foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade, onde passou por necropsia e foi liberado à família. Sepultamento vai acontecer na Bahia. O filho da mulher, inconsolável, pede punição.
“Eu não aceito o que aconteceu com ela, eu não aceito. Eu quero justiça”, disse, emocionado.

(Fonte: G1)